Publicidade

Docentes da Universidade Estadual do Piauí paralisam atividades e ameaçam greve

Categoria: Geral
Criado em Quinta, 19 Abril 2018 12:54
Escrito por Redação

A categoria reivindica reajuste salarial de 33,45%, correspondente às perdas salariais dos últimos cinco anos mais 6,81% de ganho real

Adecep.jpg

Os docentes da Universidade Estadual do Piauí aprovaram, em assembleia geral realizada nesta terça-feira (17/04), um dia geral de paralisação em defesa dos direitos, por valorização profissional e respeito ao Plano de Cargo Carreira e Salário da categoria docente. A categoria paralisa as atividades e ameaça greve em todo o Estado.

A paralisação será dia 23 de Abril, próxima segunda-feira. "Vamos cobrar do governo, além do reajuste salarial e recomposição das perdas de 33,45%, a implementação imediata das promoções, progressões e mudanças de regime de trabalho, atrasadas desde julho do ano passado", afirma o professor Antônio Dias, coordenador de comunicação da ADCESP.

A categoria aprovou também uma ida até a secretária de administração (SEAD/PREV), a fim de viabilizar uma reunião com o secretário e cobrar respostas às demandas da categoria.

De acordo com a categoria, Os docentes da UESPI já acumulam quase cinco anos sem reajuste salarial e as perdas inflacionárias ultrapassam a margem dos 33%. A categoria reivindica reajuste salarial de 33,45%, correspondente às perdas salariais dos últimos cinco anos mais 6,81% de ganho real.

“Além de não termos reposição de perdas salariais desde 2013, nem mesmo o incremento financeiro decorrente das portarias que dão direito à progressão, promoção e mudança de regime de trabalho (Dedicação Exclusiva) vêm sendo implantados em folha pelo Governo, o que representa um desrespeito ao Plano de Cargos e Salários docente da UESPI, bem como representa também o não reconhecimento do indispensável trabalho desenvolvido pela categoria em prol do desenvolvimento educacional, científico e cultural no Estado do Piauí”, afirma o professor Antônio Dias.

Atualmente cerca de 100 docentes estão nessa situação e, parte deles, com atrasos desde julho de 2017.

PortalAZ