Publicidade

Ver democracia em quartéis é como enxergar Jesus Cristo no inferno

Categoria: Geral
Criado em Quarta, 04 Abril 2018 13:47
Escrito por Redação

"O DNA do golpismo nas palavras do general é antigo"

Golpe64.jpg

Muito mais preocupantes que as declarações do comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, foi a chuva de apoio a um posicionamento claramente ilegal e perigoso de um chefe militar. O general ensaia um movimento militar fora do que a Constituição determina para as Forças Armadas. Enxergar democracia em anarquia militar é uma miragem, é como ver Cristo no inferno em congraçamento com o demônio.

Em sua conta no Twitter, o general Villas Bôas disse que o Exército julga compartilhar o anseio dos cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia”.

Da última vez que cidadãos civis enxergaram nas Forças Armadas um reduto salvacionista para a democracia brasileira, esta ficou retida nos quartéis por 21 longos anos. Nas ruas, os inocentes cordões que marcharam pensando em enxergar a democracia onde ela não existia pagaram um preço muito elevado por seus equívocos.

O DNA do golpismo nas palavras do general é antigo. O general Castelo Branco, que veio a se tornar o primeiro dos cinco generais a presidir o país durante a ditadura militar, conhecia de perto esse povo que implora por um regime autoritário vestindo fardas.

Disse o general, quando nas vésperas do golpe de 1964, se via nos quartéis um bastião de democracia: "Eu os identifico a todos. São muitos deles os mesmos que, desde 1930, como vivandeiras alvoroçadas, vêm aos bivaques bolir com os granadeiros e provocar extravagâncias ao Poder Militar".

Vivemos esses tristes tempos em que as pessoas nem precisam mais ir aos quartéis para pedir um golpe de estado. Elas os fazem na grande praça pública em que se converteram as mídias sociais. Gente estúpida que alegremente se deixa manobrar pelo engodo conduzido por gente muito, mas muito esperta.

Felizmente, apesar de haver uma torcida para que o Brasil engate a marcha-a-ré e volte para 31 de março de 1964, temos ainda gente responsável a condenar de modo veemente os arroubos de pessoas como o general Villas Bôas.

Ontem mesmo a Ordem dos Advogados do Brasil, por seu presidente, Claudio Lamachia alertou que “não existe solução para o país fora da Constituição e da democracia”.

Sobre ver democracia em quartéis, cabe uma frase antiga e precisa de um estadista conservador, o senhor Winston Spencer Churchill, primeiro-ministro da Inglaterra durante a II Guerra Mundial: ”Ninguém pretende que a democracia seja perfeita ou sem defeito. Tem-se dito que a democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos”.

Por Cláudio Barros