Publicidade

Jornal do Meio Dia entrevista Dra. Lucivânia Vidal, delegada da mulher

Categoria: Geral
Criado em Quinta, 18 Maio 2017 17:18
Escrito por Redação

Em pauta, o 18 de maio, data importante para lembrar a luta contra abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes

Lucivania2.jpg

 

Hoje, 18 de maio, é data emblemática para o combate ao abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes.

É importante a união de todos para combater esta problemática que atinge milhares de brasileirinhos (as), país a fora.

A data ficou instituída como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes” a partir da aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000. O “Caso Araceli”, como ficou conhecido, ocorreu há quase 44 anos, mas, infelizmente, situações absurdas como essa ainda se repetem em nossa sociedade.

E a melhor forma de combate é a prevenção. É necessário um trabalho informativo junto aos pais e responsáveis, a sensibilização da população em geral, e dos profissionais das áreas de educação e jurídica, com a identificação de crianças e adolescentes em situação de risco, e o acompanhamento da vítima e do agressor.

Com isso, o Jornal do Meio Dia comandado pela tríade Jôve Oliveira, Nando Silva e Kiko Silva, entrevistou na edição de hoje, 18/05, a delegada da mulher, Dra. Lucivânia Vidal, que responde pela região de Piripiri.

Delegada.jpg

Dra. Lucivânia enfatiza a importância da data como, também, ressalta que é importante à mobilização da sociedade para o combate aos atos de violência contra as crianças e adolescentes.

Segunda a delegada, infelizmente, o maior empecilho para o desenvolvimento do seu trabalho é a falta de estrutura do Estado em dispôs para as delegacias condições adequadas para o atendimento de casos de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescente como contra a própria mulher.

Vidal ainda ressalta a importância da denúncia, porque, segundo a delegada, além da prevenção, o combate se faz necessário. É importante que as pessoas se habituem a denunciar os casos de violência contra crianças e adolescentes como, também, contra a mulher.

“É preciso usar os mecanismos do Estado para denunciar estes casos, para que as vítimas tenham sua integridade física e psicológica assegurada”, acrescentou a delegada.

É importe destacar que qualquer pessoa que souber de algum caso de violência sexual infantil pode fazer e deve denunciar, bastando procurar o conselho tutelar, delegacias especializadas, polícias militar, federal ou rodoviária e/ou ligue para o Disque Denúncia Nacional, de número 100.

Você pode agir. Proteja nossas crianças e adolescentes. Faça bonito e disque 100.